Blog

Tratamento de esgoto auxilia preservação ambiental

A presença da água nos processos industriais tornou-se cada vez mais evidente nas últimas décadas e é de conhecimento da população que seu custo se elevará no futuro, em razão das dificuldades encontradas no seu acesso e consequente tratamento. Por isso, cada vez mais empresas e empreendimentos comerciais ou residenciais passaram a buscar uma otimização de recursos, seja em projetos de eficiência hídrica ou na busca de fontes alternativas como, por exemplo, o aproveitamento da água do esgoto tratado.

Segundo a bióloga da Maxtrat Soluções Ambientais, Milena Alandia, as modernas técnicas de tratamento de Estações de Tratamento de Esgoto (ETE’s) de última geração asseguram uma qualidade extra ao esgoto tratado. “A implantação de um projeto de reuso de esgoto tratado torna-se facilmente aplicável, resultando em um empreendimento de elevada autonomia hídrica e com considerável preocupação ambiental”, complementa.
Ainda segundo a bióloga, o tratamento de esgoto ou efluentes deve reduzir a matéria orgânica de forma a garantir, preferencialmente, DBO (Demanda Bioquímica de Oxigênio) menor que 5,0 e turbidez menor que 5 NTU (Unidade de Turbidez Nefelométrica). Com isso, é possível direcionar a água para o processo de reuso desde que seja para linha sanitária ou limpeza de pátio e irrigação. No caso de reuso para torres de resfriamento e caldeira, os padrões deverão seguir os parâmetros de potabilidade, o que requer tecnologias específicas de filtração. As formas tradicionais para garantir a qualidade final do efluente são sistemas anaeróbios e aeróbios, os quais são responsáveis pela degradação da carga e estabilização da qualidade do efluente final. “Dependendo da qualidade que se obtém após o processo biológico, é necessário o processo físico-químico para garantir os parâmetros de reuso, os quais envolvem filtração, UV ou osmose reversa, dependendo do uso pretendido”, ressalta.
Sabe-se que a água proveniente do processo de tratamento de esgoto não é própria para o consumo humano, mas possui qualidade suficiente para ser usada na geração de energia, refrigeração de equipamentos, em diversos processos industriais, em prefeituras e entidades que usam a água para lavagem de ruas e pátios, irrigação de áreas verdes, desobstrução de rede de esgotos e águas pluviais. No entanto, alguns casos devem passar pelo processo de osmose reversa para garantir a qualidade esperada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *